VÍCIOS  DE CONCURSOS
(texto de José Ouverney)

     Tendo acesso às trovas que um amigo compôs para concorrer em Nova Friburgo,neste ano de 2012, alertei-o de que dos sete trabalhos que vi, seis utilizavam a expressão “de passagem”. E o tema era “Passagem”.

     Então comecei a notar que nós, trovadores, (nem todos, é claro!) temos este vício de tentar ir pelos atalhos. Para temas como PASSAGEM, CERTEZA, VERDADE, DÚVIDA, EFEITO, é muito mais cômodo utilizar as expressões “de passagem”, “com certeza”, “em verdade”, “sem dúvida”, “com efeito”, etc.

     Se atentarmos para todas as nuances que o termo “passagem” oferece, iremos nos deslumbrar ante a descoberta. Toda mudança é uma passagem. E mudar é o que mais fazemos na vida.

     O mesmo se aplica a CERTEZA, VERDADE, DÚVIDA, EFEITO. O desafio é exatamente este: extrair do tema, algo que ainda não tenham pensado. Ou, pelo menos, aproximar-se do impensado.  Como concorrente, preciso parar com essa história de “ah, tenho que fazer três trovas sob o tema tal, para tal concurso”. Antes, devo raciocinar: “Tenho que fazer uma trova que seja diferente, para tal concurso”.  Uma vez cumprida a tarefa inicial, só então tentaremos a segunda e, se possível, a terceira.

     Não por acaso, de quinhentas a seiscentas trovas enviadas para um concurso, na primeira “peneirada” de um hábil avaliador, as quinhentas viram trinta. Ou vinte. Às vezes, nem isso!

     São avaliações duras? São.  Mas são construtivas? Só são.  Digo, por experiência própria: troféus não me atraem, classificações são relativas.  Já tive trovas de minha preferência eliminadas sumariamente por aí. Mas não abro mão da qualidade. Se saírem fracas, não terá sido por falta de empenho. O troféu mais valioso que se pode receber é o reconhecimento do público, ao ouvir a sua trova.  É a reação que ela causa.  Se não causar reação alguma, de que adiantará eu colocar aquele troféu em minha estante e dele me vangloriar? Não veio com selo de qualidade.

     Portanto, amigo trovador, quando eu o alertei de que das suas sete trovas sobre o tema “Passagem”, seis delas continham a expressão “de passagem”, creio ter sido muito mais amigo do que aqueles que as viram e exclamaram: “Nossa, estão lindas"! Elas poderiam até classificar-se, diga-se de passagem, mas, em verdade, o risco de ocorrer o contrário, com efeito, é muito maior.  Sem dúvida!  Com certeza!  

     Eu, por exemplo: quando crescer, mesmo que não consiga, vou tentar fazer trovas como estas: 

Em meu livro de memórias,
que Maria ainda não leu,
quase todas as histórias
ela mesma é que escreveu...
WALDIR NEVES/RJ  10.06.1924 - 24.01.2007

Enganam-se os ditadores
que, no seu furor medonho,
mandam matar sonhadores,
pensando matar o sonho!
JOUBERT DE ARAÚJO E SILVA/ES  29.11.1915 - 22.07.1993

Embora vivas cantando,
canário, tens vida triste:
- já vi lágrimas pingando
nessa vasilha de alpiste!
VASCO DE CASTRO LIMA/SP  22.12.1905 / 30.08.2004