PINDAMONHANGABA = 20 ANOS DE CONCURSOS DE TROVAS!
(foto de João Paulo-1992; texto de José Ouverney - junho/2012)

(texto de José Ouverney. Veja mais textos do autor em http://www.falandodetrova.com.br/ouverneyconverso)

 
          No final da década de 60 e início da de 70 um consagrado trovador chamado Orlando Brito revolucionou Pindamonhangaba, promovendo um evento de trovas que irmanou Pindamonhangaba e Campos do Jordão num só projeto cultural. Como diretor do jornal “Tribuna do Norte”, espalhou versos de forma arrebatadora e aqui fincou uma saudade que até hoje não passa.
 
            Mas foi em 1992, depois de um longo intervalo, que a Trova floresceu pra valer, com a aclamação da primeira diretoria da seção da UBT local, que teve como primeiro presidente o médico/professor José Valdez de Castro Moura e como vice-administrativo o jornalista João Paulo Ouverney, que ainda hoje conduzem os destinos da entidade.
 
            Queremos apresentar aqui uma retrospectiva de todo esse período, justamente no ano em que a seção municipal da União Brasileira de Trovadores comemora vinte anos de existência. Em 1992, dando início à odisseia, o tema apresentado foi “Vida”. O primeiro lugar geral coube a Darly de Oliveira Barros, de São Paulo, com a trova:
Lamentando meus fracassos
na vida, insisto em pisar
nas marcas dos mesmos passos
levando a nenhum lugar...
 
            E o prêmio para “Melhor Trova Educativa” coube a outra paulistana, Carmen Ottaiano, falecida em janeiro de 2008:
Menino, não tenha medo,
que a lei do retorno é certa:
se a vida estraga um brinquedo,
a mão do tempo conserta.
 
            De Pinda, a única a premiar foi Maria de Lourdes Ouverney.
 
1993
            Maria de Lourdes voltaria a classificar-se (4º lugar) no tema “Abrigo”, que teve, ainda, João Paulo Ouverney em 1º e Lenora Vale M. Philbert em 3º. No tema “Castelo”, para trovadores de outras paragens, o campeão foi Waldir Neves, do Rio de Janeiro. Entre os vencedores, Heloísa Zanconato Pinto.
 
O abrigo melhor do mundo,
bem seguro e acolhedor,
se encontra, belo e profundo,
num lar onde existe amor!
MARIA DE LOURDES OUVERNEY - Pindamonhangaba
 
No Castelo do meu peito,
a “Esperança Adormecida”
é a Bela aguardando o eleito
que a desperte para a vida!
HELOÍSA ZANCONATO PINTO – Juiz de Fora/MG
 
1994
            “Liberdade (Regional) e “Princesa” (Nacional) foram os temas. Pinda começava a despontar no cenário trovadoresco. Das quinze premiações regionais, obtivemos onze, inclusive as cinco primeiras colocações: 1º) Ana Alves de Carvalho, 2º) João Paulo, 3º) Maria de Lourdes (não só a primeira a premiar por Pinda mas também a primeira tricampeã), 4º) José Valdez e 5º) Alcides Vasques, com esta trova:
 
Encerra muitos encantos
um conceito de verdade:
uns morrem livres, e quantos
morrem pela liberdade!
 
            No tema “Princesa”, já residindo em São Luís/MA, Orlando Brito foi condecorado no mesmo reduto onde ele próprio plantara a semente:
 
Uma, na faina diária,
outra, entre luxo e esplendor,
mas são, princesa e operária,
iguais na hora do amor...
 
1995
            O tema regional “Fé”, além de João Paulo, Valdez, Raul Vinci e Profª Norma Marcondes, com muita ternura incluiria entre os vencedores o casal Alcides Vasques (bi-campeão) e Maria Aparecida Arantes Vasques.  “Dúvida” foi o tema nacional no mesmo ano.
            Ainda em 1995 foi introduzida a trova nas escolas do município, com a realização paralela do “I Juventrova”, sob a coordenação de Ernesto Tavares de Souza, tarefa pela qual ele se tomaria de uma paixão intensa, cumprindo-a fervorosamente até o ano de 2005, quando Deus o chamou.
 
1996
            “Tempo” e “Eternidade” foram os temas para 1996. Que consolidou trovas assim:
Ao santo tempo bendigo,
pois nele, com alegria,
Deus faz da espiga de trigo
o meu pão de cada dia.
ERNESTO TAVARES DE SOUZA
 
O amor é a grande avenida
com que a mão da Divindade
liga os primórdios da vida
aos confins da eternidade.
ANTONIO DE OLIVEIRA – Rio Claro/SP
 
            Já então os resultados eram divulgados por ordem alfabética dentro de seus grupos: cinco vencedores (1º a 5º), cinco menções honrosas (6º a 10º) e cinco menções especiais (11º a 15º).
 
1997
            E veio 1997. Ano de homenagear o Pai do Movimento Trovadoresco, que teve por tema seu nome literário: “Luiz Otávio”, em justo pleito aos 20 anos de seu falecimento. O tema para a região, logicamente, foi “Trova”. Selecionamos estas vencedoras:
Se a trova é boa - é Cultura.
- Perene em sua existência.
É o frasco, que em miniatura,
contém a melhor essência.
CIDOCA DA SILVA VELHO - ( São Luiz do Paraitinga)
 
Luiz Otávio, em teu reinado
onde o plágio não se aprova,
que bom fosses plagiado
em teu amor pela trova !
EDMAR JAPIASSÚ MAIA – Rio de Janeiro
 
1998
            Voltando a priorizar temas antagônicos, “União” e “Discórdia” foram as propostas. Em mais um ano de excelente safra, selecionamos estas duas:
 
A antiga e sábia lição
não custa tempo ou dinheiro:
- Que a força vem da união
se aprende num formigueiro.
ALMERINDA LIPORAGE – Rio de Janeiro
 
Da discórdia do passado
germinou o nosso amor.
E, hoje, nós dois, lado a lado,
só brigamos a favor.
WALTER LEME
 
1999
     Ano da “Verdade” e da “Mentira”. Com as solenidades se realizando tradicionalmente na Biblioteca do Bosque da Princesa, sempre no início de julho, coincidindo com a data de emancipação política do município. Entre as tantas obras contempladas, separamos duas:
 
Há momento em que a bondade
forja a mentira bonita,
porque sente que há verdade
que jamais pode ser dita!...
MARIA NASCIMENTO SANTOS CARVALHO - Rio de Janeiro
 
A mentira é uma afronta,
começa pequena, leve,
quando a gente se dá conta
já, virou bola de neve.
ARGEMIRA MARCONDES - Taubaté
 
2000
 
            “Passado” e “Presente”.  O ano 2000 trouxe dois temas que nos obrigaram a viajar no tempo. De São Paulo, Zaé Junior nos trouxe esta pérola:
 
Voltaste, mas teu regresso
não era mais esperado;
eu preferia, confesso,
tua saudade... e o passado !
 
            E Élbea Priscila, essa renomada trovadora caçapavense, concebida em Piquete, conjugou os dois tempos na mesma composição:
 
Quero agarrar o presente,
mantê-lo à força, ao meu lado...
E ele se esvai... De repente,
presente já é passado!
 
2001
            2001, no tema regional “Ausência”, brindou-nos com a bela trova de Aurora Teixeira Mendes, a saudosa e querida “Dona Aurora”, que fez a plateia explodir em gargalhada com estes irreverentes versos:
 
Tua ausência me faz bem,
até me sinto melhor,
não discuto com ninguém
e a cama ficou maior!
AURORA TEIXEIRA MENDES
 
            No plano nacional/internacional, outra querida trovadora: Therezinha Dieguez Brisolla, extravazou lirismo com a “trova do rádio de pilha”, composta para o tema PRESENÇA:
É noite!... a cama arrumada...
o rádio de pilha mudo...
Sua foto... e, nesse "nada",
a sua presença em tudo!
THEREZINHA DIEGUEZ BRISOLLA - São Paulo
 
2002
            E chegamos a 2002. Dez anos de UBT, seção de Pindamonhangaba. Sempre os mesmos timoneiros: Valdez e Helena. LEMBRANÇA e SAUDADE foram os temas aventados. Entre as classificadas, a “saudade” de Oscar Soares, de Taubaté, outra pessoa carismática, falecido neste ano de 2012:
 
Dor que não dói, leve carga,
suspiro, doce carência...
- saudade é a lembrança amarga
que nos adoça a existência!
OSCAR VIEIRA SOARES
 
            E a “lembrança” de Neide Rocha Portugal, de Bandeirantes/PR, com um primor de trova:
 
A lembrança que castiga,
por mais distante que esteja,
é qual cirurgia antiga:
- de vez em quando ... lateja!
 
            Aliás, não resisto e vou citar outra, vinda lá das Alterosas.Vejam que versos saborosos:
 
Da peraltice em criança
da canjica e do torresmo,
não há só uma lembrança:
- É muita saudade mesmo!...
JUPYRA VASCONCELOS (Belo Horizonte-MG)
 
2003
     Mais um ano com temas contrastantes: GRITO E SILÊNCIO. O pindamonhangabense JOSÉ RAUL VINCI soltou o seu grito pela igualdade:
 
O grito que sai do peito
dos que vivem oprimidos,
nunca chega a ser aceito
pelos mais favorecidos.
 
            SÉRGIO FERREIRA DA SILVA, hoje em Santo André, demonstrou que o silêncio tem tanta força quanto o grito:
 
Não julgues por esquecida
a mágoa de outra pessoa:
silêncio de quem revida
é igual... ao de quem perdoa!
 
2004
            Os concursos de 2004 colocaram em evidência o HOMEM e a NATUREZA:
 
Nos jardins, bela e vaidosa,
enfeita-se a natureza:
recende a aroma de rosa
e põe brincos-de-princesa!
ANGÉLICA VILLELA R. SANTOS – Taubaté
 
            De Pouso Alegre, o inesquecível NEWTON MEYER AZEVEDO, falecido em 2006, conseguiu, com estes lindos versos, uma de suas últimas classificações em concursos. Missão cumprida, saudoso poeta!
 
"Homem que é homem, não chora!"
- Obedeci, sem defesas.
Pergunto: o que faço agora
com tantas lágrimas presas?
NEWTON MEYER - Pouso Alegre / MG
 
2005
            Veio 2005 e, com ele, uma nova safra de versos da melhor qualidade. Uma agradável rotina, aliás, em nossos concursos. Que são muito concorridos, devido, principalmente, à hospitalidade encontrada em nossa terra.
            MAURÍCIO CAVALHEIRO, uma das bandeiras de nossa cultura, e MARINA BRUNA, que tantas vezes escreveu seu nome em nossos eventos, foram os sorteados:
 
Quisera ser o teu mar,
mas de ti, rio envolvente,
eu não consigo passar
de um quase extinto afluente.
MAURÍCIO CAVALHEIRO
 
Morrem florestas, açudes,,
e a Terra, pobre de afeto,
perde os versos e as virtudes:
- vira selva de concreto!
MARINA BRUNA – São Paulo

 
 
2006
 
          A XVI edição de nossos concursos propôs os temas PERDA (para a região) e RESGATE (nacional/internacional). Como sempre, entre os trabalhos pontuados, escolhemos dois para publicação:
 
Perda e ganho são dois pratos
da balança desta vida.
Saber medir nossos atos
é equilibrar nossa lida.
ALFREDO BARBIÉRI – Taubaté
 
Amor de perdas e danos;
triste contabilidade:
resgate dos desenganos,
sobras de caixa-saudade!
SELMA PATTI SPINELLI – (presidente da UBT São Paulo)

 
 
2007
 
            Novos nomes surgiam na Trova, entre eles, Luiz Antonio Cardoso:
O perdão que concedemos
a cada irmão ofensor,
são trevas que revertemos
em luz... em paz... em amor!
LUIZ ANTONIO CARDOSO – Taubaté
 
            E outros mantinham a escrita ao longo do tempo. Caso de Milton Souza:
A luz se vê facilmente...
Porém o que mais me assombra
é notar que tanta gente
enxerga primeiro a sombra!!!
MILTON SOUZA - Porto Alegre / RS

 
 
2008
 
            SEDUÇÃO e APATIA foram os desafios da vez. Outro nome novo no cenário local, ao lado da experiente Ercy Marques, de Bauru. Esta, “buscando respostas no passado” e, aquele, exaltando os “encantos da lua”:
 
A lua me seduz tanto
que nos poemas que faço,
tento buscar seu encanto
pelo infinito do espaço.
JOSÉ GUARANY RODRIGUES – Pinda
 
A apatia que hoje vês
neste semblante cansado,
é vestígio dos "porquês"
sem respostas do passado!!!
ERCY MARIA MARQUES DE FARIA - Bauru / SP

 
 
2009
 
            ENIVALDO BORGES DA SILVA: também debutando no cenário da trova pindamonhangabense, foi um dos contemplados no âmbito regional:
Quando a tristeza me invade,
por sua ausência sentida,
vou cavalgando a saudade,
nos devaneios da vida !
 
            Para rebater a tristeza “Enivaldiana”, escolhemos a “Alegria” da presidente da UBT no Estado de São Paulo: DOMITILLA BORGES BELTRAME:
Com as “notas” da alegria,
ou dissonância sofrida,
Deus compõe a melodia
da partitura da vida!
 
            Simultaneamente o “Juventrova”, em sua XV edição, entre as 50 classificadas, continha esta, de uma aluna da EE Profª Alexandrina Rodrigues:
Escrevi uma mensagem
pra cobrar o caloteiro.
O que faltou foi coragem
para ir pegar o dinheiro.
POLIANA SOUZA CLARO – 5ª série do Ensino Fundamental
 
 
2010
 
            E chegamos a 2010. Ano de Copa do Mundo. Evento que mexe com o povão. O “Juventrova” versou sobre GALERA, o Concurso Nacional atacou de MULTIDÃO e a nossa região Vale do Paraíba, Litoral Norte e Serra da Mantiqueira adotou a temática NINGUÉM. Escolhemos uma de cada âmbito:
Um coração solitário,
sem amor,sem ter um bem,
é um quarto sem mobiliário,
casa onde mora ninguém...
JOÃO PAULO OUVERNEY – Pindamonhangaba
 
A multidão se movendo
em agitações tão suas,
parece o sangue correndo
pelas artérias das ruas!
ARLINDO TADEU HAGEN – Belo Horizonte
 
Muita gente aqui é fera,
se quiser, pague pra ver.
Quando se junta a galera,
tudo pode acontecer!
Bruna Castilho de Faria - 2º ano - Ensino Médio
EE PROFESSOR JOÃO MARTINS DE ALMEIDA
 
 
2011
 
            XXI Concurso de Trovas e “XVII Juventrova”. Um trabalho que vem de longe. Mas o casal Valdez/Helena e seus “fiéis escudeiros” não deixam a peteca cair. Sempre com o prestimoso aval da Prefeitura local e das áreas ligadas à Cultura.
            Trovas selecionadas nesta versão, nos temas ASTÚCIA, INOCÊNCIA e BOBEIRA:
 
Não choro, não xingo, eu luto!
Caso a tristeza me oprima,
o meu coração, astuto,
dá logo a volta por cima.
NÉLIO BESSANT – Pindamonhangaba
 
Um sorriso, uma indulgência,
um gesto ingênuo de adeus!...
Por onde houver inocência
há um pedacinho de Deus!
JOSÉ BORGES XAVIER JUNIOR – São Paulo 
 
Quando de amor te falei,
me disseste: - que bobeira!
Foi por isso que chorei
naquela segunda-feira...
Erick Lucas M. Teodoro - 6ª série-Ensino Fundamental - EE WILSON PIRES
 
 
2012
 
            Parece mentira mas a UBT, seção de Pindamonhangaba, completa vinte anos de existência, promovendo concursos sem ter falhado um único ano. Há muito que se comemorar. E também recordar aqueles que já partiram.
            E os temas para 2012 foram: VOLTA (regional), ATALHO (nacional) e PROVA – estudantil. Representando todas as classificadas, uma trova do grande artífice desse longo e brilhante trabalho, e outra daquele que podemos considerar como o padrinho desta seção da UBT, ele que era o presidente estadual no distante ano de 1992 e forneceu todo o suporte para o início de toda essa epopeia: JOSÉ VALDEZ CASTRO MOURA e IZO GOLDMAN.
 
Enfrento a dor tão constante
deste sofrer que é demais:
quero a  volta de um instante
que não volta nunca mais...
José Valdez Castro Moura
 
Este meu amor que sonha
não acredita em “depois”
e só quer que a vida ponha
um atalho entre nós dois...
IZO GOLDMAN – UBT São Paulo
...............................................................................................................................
 
            Portanto, eis aí uma retrospectiva de vinte e um anos de concursos realizados na gestão José Valdez de Castro Moura, cuja dedicação a esta modalidade poética que tantos louros tem trazido para Pindamonhangaba, é absolutamente incontestável. No cenário da Trova brasileira podemos dizer que Pindamonhangaba já consolidou seu nome. Mas nós queremos mais. E o tempo há de ratificar o valor deste trabalho que nada mais é do que o fruto do puro idealismo. Estamos todos de parabéns: professores, alunos, trovadores e Prefeitura!
 
Pindamonhangaba, em 15 de junho de 2012.
 
JOSÉ OUVERNEY