FALTA UM ITEM NO REGULAMENTO...
(texto de José Ouverney, postado em 04.05.2015 em "Colunas & Colunistas", do site Falando de Trova)

 

          Os anos vão passando, os trovadores vão envelhecendo e as dificuldades para viajar, encontrar outros trovadores, receber sua premiação, etc, vão aumentando cada vez mais, já não bastara as dificuldades naturais envolvendo o aspecto financeiro. De um lado, há uma Comissão Organizadora, ansiosa por receber os vencedores do certame literário por ela coordenada; do outro, a maioria dando explicações sobre a impossibilidade de comparecimento. Pra piorar ainda existe aquela ala (a mais indesejável) que premia, não comparece e nem se dá ao trabalho de entrar em contato justificando. E depois uma parcela de ausentes ainda reclama se aquela Comissão Organizadora não envia (ou atrasa o envio)  pelo correio o diploma, o livro, o troféu, ou seja lá o que for que eles tenham conquistado.

          Pensando nisso, e considerando também que há um bom número de participantes de fora do Brasil (o que dificulta ainda mais o envio), eu pergunto: será que não está na hora das Comissões Organizadoras de concursos incluírem nos regulamentos um item, esclarecendo esses detalhes? Algo do tipo:  “independentemente de onde residam, todos os autores premiados receberão em suas residências os diplomas, medalhas, troféus e livros a que fizeram jus”  ou, por exemplo, o mais óbvio:  “quem não puder comparecer, favor enviar um representante. Não haverá envios pelo correio”.

          Seria mais simples e evitaria comentários desairosos como os que lemos, recentemente, onde um cidadão brasileiro, residente no Japão, premiou nos Jogos Florais de Ribeirão Preto em 2014 e, como não lhe foi enviado o diploma e a medalha, postou na rede social uma série de reclamações, entre elas o seguinte:  Enfim, um CONCURSO VERGONHOSO, que já está aberto novamente (pasmem!), para enganar a outros desavisados. Ficarei sem o prêmio, sim, mas não me calo desta vez, pelo simples fato de não tolerar injustiças!”
  

          Isto é ruim para a UBT, é ruim para a Trova, é ruim para todos nós, uma vez que a rede social escancara para o mundo qualquer coisa que se queira ali dizer. Como trovador, participante de inúmeros concursos e premiado em muitos deles, particularmente acho que não devemos nos prender a diplomas, medalhas ou seja o que for. Importante é a conquista em si. O momento mais bonito e emocionante é quando subimos ao palco, declamamos nosso trabalho e recebemos o reconhecimento das pessoas presentes. Se não podemos ir, se renunciamos ao instante mais glorioso, então não sejamos também tão irredutíveis para com quem coloca a sua vida a serviço de uma causa tão nobre. Só mesmo quem já organizou eventos dessa natureza poderá entender realmente o que estou falando.

          Jogar pedras é muito fácil... E eu sei disso, porque às vezes também jogo...  Servir de vidraça é que são elas...