Pronto. Acabei de compor uma trova. Agora, deixe-me ver se está dentro das regras. Todos os versos com sete sílabas poéticas? Sim. Rimando o 1º com 3º e 2º com 4º? Sim. O ritmo está bom? Epa, espera aí, ritmo? É aquela coisa de sílaba tônica na 4ª e 7ª sílabas, ou 3ª, 5ª e 7ª? Xi, nem me lembrava mais disso. Tem um verso aqui com tônica na 6ª e 7ª e outro na 2ª e 3ª. Vou ter que mudar isso.

     O que mais tenho que ver? Sonoridade? Ah, é brincadeira, não é? Se eu tenho uma rima “endo” e outra “ente” ou uma “Ina” e outra “inte”, minha trova empobrece. Essa não. E, para piorar, no transcorrer dos versos eu não mesclei as vogais: tem muito “o” e pouco “a”. Ou algo parecido… Vou ter que mexer de novo.

     Agora sim, as sílabas tônicas não estão “trombando” entre si; a musicalidade está a contento; rima, métrica, tudo. A trova está completa! Ou não???

     Sabe o que é? Tem um professor chato aqui ao meu lado, que não se contenta com nada. Ele agora quer saber sobre o conteúdo. Pede que eu verifique se a trova não ficou muito “infantil”, ou piegas, ou então bem elaborada mas comum demais. Sugere que eu pegue verso por verso e os submeta ao “Google”, para ver quantas vezes já foi utilizada cada expressão.

     Para completar, ele diz que a minha trova tem que ter um “achado”, isto é, algo diferente, que ao mesmo tempo emocione e surpreenda ao leitor e consiga driblar a implacável ferramenta de busca que há na Internet. E pede, ainda, que eu confira se não há cacófato: aquele desagradável encontro de duas palavras, formando uma terceira, com resultado pífio.

     Ah, quer saber? Desisto! Isso mesmo: DESISTO! Vou continuar compondo meus versos livres de qualquer imposição, dando vazão apenas à intuição (nossa, que sequência horrível: “imposição/vazão/intuição!). Bem, mas não importa, como eu dizia: pra mim, trova é coisa de gente velha. Eu, hein!

     Tchau, professor, a gente se vê por aí!

OBS = o texto acima é mera ficção. Você não é brasileiro? Ao invés de desistir, persevere; comece a praticar WALDIR NEVES. Depois enverede por JOÃO RANGEL, TADEU HAGEN e tantos outros. Você verá que “trovar vale a pena”. Depende do tamanho de sua alma!

Ah, eis, abaixo, três exemplos de trovas da mais fina linhagem, do jeitinho que eu gostaria de compor quando eu crescer:

Ao traçar vidas sem rumo
do desgraçado, do louco,
não sei não, mas eu presumo
que a mão de Deus treme um pouco!
WALDIR NEVES

A lágrima é um pingo d’água,
Irizado e transparente:
- A bailarina da mágoa
dançando no olhar da gente.
JOÃO RANGEL COELHO

Mil conquistas… sonhos vãos
que passaram como a bruma…
Eu apertei tantas mãos
e não segurei nenhuma!…
ARLINDO TADEU HAGEN
-------------------------------------------------------
texto de José Ouverney, datado de 16.01.2014